Presidente do TRE-MT participa de debate sobre procedimentos criminais na Justiça Eleitoral

O encontro é organizado pelo Copeje e nesta III edição contou com a parceria da Escola Judiciária do Rio de Janeiro.

TRE-MT III COLÓQUIO

A efetividade dos procedimentos criminais na Justiça Eleitoral – desafios e aspectos relevantes. Este foi o tema debatido pelos participantes do III Colóquio Colégio Permanente de Juristas da Justiça Eleitoral (COPEJE), realizado nesta sexta-feira (24.05) na sede do TRE do Rio de Janeiro. O presidente do Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso, desembargador Gilberto Giraldelli participou do evento.

 

“Estamos na iminência de receber uma enorme responsabilidade. A Justiça Eleitoral sabidamente é ágil, muito bem preparada e possui servidores qualificados. Mas nós temos que ter noção que a responsabilidade é muito grande e a minha preocupação é com as diversidades de situações que podem ocorrer. Tudo isso tratando de uma matéria de alta indagação como é a questão da competência, ela certamente será questionada em vários julgados e tribunais e isso, com certeza vai implicar no retardamento da marcha processual. A decisão do STF ressalva as situações em que a instrução já esteja encerrada. Mas me preocupa sobremaneira aqueles em que ainda haja necessidade de provas periciais, dentre outras, e que esses processos serão paralisados na discussão para se saber quem é o juízo competente para proferir a decisão. Essa preocupação aumenta quando verificamos que grande parte desses processos tratam de crimes de corrupção e de lavagem de dinheiro”, destacou Giraldelli.

 

Para o presidente do TRE-MT o debate sobre as responsabilidades é fundamental neste momento. “É um grande desafio levarmos a cabo um processo dessa envergadura, em que há uma pluralidade de réus, delitos, advogados e necessidades de expedição de cartas precatórias, entre outras demandas que requer um tempo muito grande para conclusão. Vamos receber processos que estão em andamento sem interrupção do prazo prescricional. Muitas vezes ao chegarmos no momento de proferirmos a sentença vamos nos deparar com a prescrição.  E de quem será a culpa?. Da Justiça Eleitoral. Esse quadro me preocupa sobremaneira. Quais os melhores caminhos a se tomar em relação a essa problemática? Precisamos criar mecanismo para evitar que a Justiça Eleitoral tenha o seu nome comprometido”.

 

A palestra inicial do seminário foi ministrada pelo procurador regional eleitoral do TRE-DF, José Jairo Gomes. Em seguida iniciou-se o debate com a participação do presidente do TRE-RJ, desembargador Carlos Santos de Oliveira, a diretora da EJE-RJ, desembargadora eleitoral Cristiane Frota, o presidente do Copeje e membro do TRE-DF, desembargador Telson Ferreira, o membro do TRE-RJ, desembargador eleitoral Raphael Mattos e a advogada Vânia Aieta.

O encontro é organizado pelo Copeje e nesta III edição contou com a parceria da Escola Judiciária do Rio de Janeiro. Todo o debate foi transmitido ao vivo pelo facebook do TRE/RJ (www.facebook.com/trerj).

 

Jornalista: Andréa Martins Oliveira

Siga as mídias do TRE-MT

        facebook /   Flickr  / Twitter  / Instagram

Últimas notícias postadas

Recentes